terça-feira, 27 de junho de 2017

Hoje fui ao médico...


E então fui diagnosticada, sofro de excessos.
Excesso de sentimento, excesso de controle, excesso de regras, excesso de julgamentos. Um poço sem fundo sempre querendo mais. Uma sonhadora, um tanto infantil. E por causa de todo esse excesso fico aqui me perguntando: Você não deveria demonstrar interesse em conhecer meu livro favorito? Por que nunca me perguntou sobre a paixão que tenho por um filósofo que tatuei na pele? Será mesmo que você não ter demostrado o mínimo interesse em meu novo projeto de vida é natural? Por que nunca quis eternizar um momento nosso com uma fotografia? Por que nós não temos uma música? Um lugar? Ou um sonho comum?
Por que muitas perguntas minhas a você acabam sem resposta?

Eu sei que sonho com coisas grandes, sentimentos eternos, uma vida de fantasia com um mundo a dois, um dialeto próprio, piadas internas...Uma viagem surpresa para aquela cidadezinha que eu sempre quis conhecer, ou assistir um por do sol abraçados.
Mas eu espero por coisas tão mais simples que isso. Como um texto pessoal no dia do meu aniversário em meu mural. Uma música, desenho ou palavras soltas no dia dos namorados. Um "love" em cada foto minha. Um comentário sobre alguma lembrança compartilhada. Um meme que lembrasse de mim. Que na sexta passe com os amigos e no sábado me conte como foi, quem estava e que possamos rir juntos dos "causos". Que ao ver que demonstro interesse nos eventos do seu hobby você se mostre feliz e não me mande um "ah isso aí depois a gente vê". Que em uma discussão de brincadeira com meus amigos você me defendesse. Que ao eu demonstrar ciúmes de alguém você me confortasse dizendo o quanto sou boba e dissertasse sobre minhas qualidades ao invés de simplesmente deixar claro a importância daquela pessoa em sua vida. Que você fizesse questão de me ter em sua rede social.
Queria saber o que falta enquanto aqui tudo sobra.
Será que existe uma cura para mim? Um antídoto? Quantas noites mais regadas em lágrimas preciso passar para que possa limpar minha visão e ver isso tudo como normal? Não sentir falta desses detalhes?
Mas e se por ventura isso acontecer, eu ainda seria eu?

Ou teria me perdido de mim, perdido em mim todos os sonhos e essa pouca inocência que me resta?

E se a minha única cura for a morte do meu eu que vive em mim?

Diante do receituário fica aqui minha indagação:

Sufocar meus excessos até que eles deem seu último suspiro, ou me aceitar nessa minha eloquência de sentir demais ainda que isso signifique seguir sozinha por muito mais tempo ou mesmo por todo o tempo?

quarta-feira, 31 de maio de 2017

São longuinho...São longuinho...


...onde foi parar a coragem do meu coração?
E de repente eu me senti inundada de sentimentos. Era uma mistura de curiosidade e desejos. Mas aí nós fomos para um bar, ele bebeu cerveja e eu água com gás, planejei por 7 dias a roupa, a maquiagem e o perfume, mas não planejei me apaixonar. E eu quis mais e mais, outros dias, outros momentos, outros beijos, mais toques mas tudo vindo da mesma pessoa. Ele me dizia ter medo e eu não entendia porque não sentia esse medo. Mas agora to apavorada, sinto que ele não se apaixonou como eu, mergulhei sozinha num oceano imenso para nadar somente com ele e o vejo nadando em uma praia movimentada com milhares de pessoas. Ele colocou Bon Jovi pra tocar no carro dele. Mas... Ele não tem curiosidades sobre mim, não me faz perguntas, não se aprofunda. Ele me levou pra conhecer os amigos dele. Mas... Ele não me fez uma homenagem para mim em meu aniversário pois pra ele, passar o dia comigo era mais do que suficiente. Ele me levou até o bar preferido dele. Mas... Ele sabe que não gosto de dirigir e não faz questão de dirigir pra mim. Ele me levou na casa dele. Mas... Ele nem mesmo se faz presente na minha rede social quando o tempo todo se fez presente nas redes de outras garotas das quais ele parecia se importar muito. E agora vejo ele ali verdinho e sei que não é comigo, mas o que será então? Passando tempo? Ou mantendo relações com as pessoas com quem se importa mas que pela falta de sintonia não rolou? Alguém que ele quer o bem, ou alguém que ele bem quer? Será que estou exigindo demais? Ou querendo o que qualquer ser humano normal gostaria? Será que são meus hormônios ou meu sexto sentido? Será que são coisas somente importantes para mim? Ou será que não sou tão importante assim? As pessoas são diferentes mas e essa tal de paixão não deveria ser em regra geral de entrega sem freio de mão? Eu sei que to apaixonada porque todas as músicas me remetem a pensamentos sobre ele. Tudo que vejo quero compartilhar. Quero estar junto tempo todo, quero vê-lo sorrir por coisas bobas, por frases bonitas, por piadas sem graça... Quero ser alguém melhor, quero dar ênfase ao que é importante pra ele. E quando tudo é medo, de tanto querer sei que grandes são as chances de perder. E naquele bar do primeiro dia cuidei de cada detalhe e acabei por me esquecer de vestir minha armadura e me proteger.

domingo, 25 de outubro de 2015

Os príncipes

E eu preciso confessar que o tempo todo eu estive errada, todas as vezes que amaldiçoei os contos de fadas e repeti que príncipes não existiam. Sim, eles existem. Mas não pensem que eles andam por aí vestidos de gala, montados em seu alazão branco. Nada disso! Eles estão por aí de all star e algumas vezes usam crocs. Eles não fazem serenata na janela, nem declarações sob a luz do luar, não dizem sempre as palavras exatas, não acertam sempre, nem mesmo são perfeitos. Eles vão te fazer chorar. E acreditem, eles roncam. Mas eles vão fazer você rir até perder o ar, vão cozinhar pra você, vão deixar você dirigir o carro deles, eles vão pedir pra você usar o cinto de segurança, vão te segurar pela cintura quando você for atravessar a rua, eles vão comprar seu chocolate preferido quando forem ao mercado, eles vão contar historinhas quando você pedir, vão te abraçar quando você estiver de TPM, vão fazer cafuné quando você não conseguir dormir, eles vão rir do seu ciúme... Os príncipes existem e quando eles chegam, todo o resto, se torna nada. A vida tem novo ponto de partida e o "felizes para sempre" se repete todos os dias.

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Sobra Tanta Falta...


- Você sente falta dele?

- Não, sinto falta da vida que nós tínhamos. Sinto falta de acharmos graça nas mesmas coisas, de rir até a barriga doer, sinto falta do tanto que ríamos juntos, a gente ria da gente, ríamos um do outro, das pessoas e situações.

Sinto falta de quando fazíamos poesia juntos, de inventar músicas, histórias, inventar um novo vocabulário, novas danças, caretas e sorrisos.

Sinto falta das noites em claro conversando, o assunto que nunca acabava. Sinto falta do abraço que encaixava, aconchegava, enchia a alma de paz, era meu lugar preferido no mundo inteiro.

Sinto falta de me perder em um olhar.

Sinto falta do colo que me esperava todo final de dia sempre com um cafuné, e eu pedia para que ele falasse comigo e isso sempre virava uma briga porque ele achava que eu queria que ele confessasse algum crime e em seguida tudo virava risos.

Sinto falta de querer dividir todas as novidades.

Sinto falta de compartilhar a antítese de amar comer e malhar, de gostar muito de cerveja e viver evitando beber.

Sinto falta de não caber em mim de tanta felicidade, falta de olhar pra alguém e me perguntar se era possível amar tanto assim.

Sinto falta de olhar nos olhos e viver me questionando se um dia iria encontrar alguém que pudesse ser mais bonito.

Eu sinto falta do som do violão, da voz bonita, das lutas na TV...

Sinto falta de sonhar com casas, jardins, jukebox, adegas, lareiras e meia luz.

Sinto tanta, mais tanta falta de não sentir falta....

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

1, 2, 3 e já!


Sexta feira...

Hoje é sexta, e onde estão nossos planos? Já passou da metade do dia e ainda não discutimos sobre o que vamos comer hoje a noite. E nem vamos, né?

Engraçado, você sempre ria quando eu dizia "né" e aí me perguntava: "né" quer dizer sim?

Quanto tempo falta pro dia em que as coisas do mundo vão parar de girar em torno de você? Quando todas as coisas deixarão de ser uma lembrança sua? Será que um dia vou ter coragem de abrir novamente a nossa caixa, os -emails ou o coração?

Nós temos uma coleção interrompida de bolachas pro chopp, de "mexedor" de caipirinha e de sentimentos bons....

Temos tudo em comum e nada a ver...Não temos nada, e será que um dia já tivemos?

Eu criei, inventei uma história pra gente, inventei um sentimento, eu inventei você. E isso tudo agora, será real ou invenção?

Mas cadê minha inspiração pra recriar os sentimentos, as histórias e as pessoas?

Você não é real, nunca foi real, é faz de conta, marmelada, ilusão. Então vou contar até três e quando eu abrir os olhos você terá ido embora levando tudo que é de mentira em sua mala, ficarei livre somente com as verdades, dessa vez para todo o sempre.

1

2

3

sábado, 16 de novembro de 2013

Calendário


E hoje falta um dia pra completar um mês do fim, e hoje falta um dia pra completar uma semana da última vez que estivemos juntos. E vai completar o primeiro mês de vazios, o primeiro mês sem telefonemas, sem contar os segundos pro final de semana, sem passar horas do dia pensando em coisas que poderiam deixá-lo feliz, e um mês sem tentar conquistá-lo todos os dias, sem falar como criança, sem sentir medos absurdos e felicidade infinita.

E vai fazer um mês que não assisto nenhuma luta, um mês que não como até passar mal, e vai fazer um mês que não deito no colo dele no final do dia e fico falando dos mesmos problemas de sempre enquanto ganho cafuné e disputo atenção dele com meu cachorro. Um mês que ninguém me chama de "fedô", que não ouço falar de botas, que eu não danço pela casa. E já vai fazer um mês que os porta retratos do meu quarto estão vazios, assim como meu coração. E nesses quase 30 dias eu vejo ele em todas as músicas, em todos os filmes, ele está em todos os lugares onde estou, em todas as comidas que eu como, no meu sono e na minha insônia, e vai fazer um mês que ele saiu da minha vida.

E também faz quase uma semana que vivi com ele algumas horas de tudo que foi bom, faz quase uma semana que ele deixou eu dirigir o carro dele, quase uma semana que ele me disse que eu estava bonita, que ele me abraçou com aquele abraço de 1 ano atrás, que ele me beijou com o melhor beijo do mundo, que ele me fez rir como somente ele consegue fazer. Vai fazer uma semana que ele andou de mãos dadas comigo no shopping, uma semana que fingimos que nada tinha acontecido e vivemos intensamente aquelas horas, vai fazer uma semana que ele brindou comigo, vai fazer uma semana que ele disse que eu não era gorda, que ele me mandou uma mensagem dizendo que já estava na casa dele.

E vai fazer uma semana que o equilíbrio que tanto busquei foi embora, vai fazer uma semana que penso nele a todos os instantes, quase uma semana que sinto vontade de falar com ele todos os dias, faz quase uma semana que fico inventando presentes criativos para dar a ele, quase uma semana que fico tentando descobrir uma maneira de fazer ele saber que amei demais e demais no sentido de ultrapassar os limites da intensidade e que isso tudo não passou, que eu tenho muito medo que não passe e que eu carregue pra sempre esse amor por alguém que nunca poderá estar comigo e o pior que esse alguém nunca saiba que eu amei e amo. Eu quero que ele saiba que eu achei que amava menos, que eu me enganei e não era amor, que eu achava que tinha inventado uma mentira e acreditado nela, mas o tempo e a distancia me fizeram sentir novamente tudo que estava lá atrás esquecido, soterrado pelos contratempos do dia a dia, pelas mágoas, pelas brigas, o ciúme e toda a desconfiança. Eu esvaziei todo o lixo que estava lá e agora estou novamente aqui sentindo todo aquele amor, toda aquela loucura em faze-lo feliz.

E hoje falta um dia pra completar um mês do fim, hoje falta um dia pra completar uma semana da última vez que estivemos juntos e hoje falta dois dias pra completar quinze meses do dia em que perdi a razão por encontrar o amor.

domingo, 28 de outubro de 2012

Um dia triste


E quando te abraço eu sinto uma onda de energia que me invade, uma paz, felicidade, uma explosão de sentimentos bons, e eu fico me perguntando se você sente o mesmo, ou como você se sente.

Agora, tudo que tem aqui é um vazio, um estomago comprimido, um incomodo que não há música, álcool ou palavras no mundo que possam preencher.

Palavras bonitas não funcionam hoje, penso por um minuto que talvez os amigos possam ajudar, mas descarto logo a idéia só de lembrar da cara de pena com que me olhavam na noite anterior quando eu fingia, bem demais, até para mim mesma que estava viva. Não quero que sintam pena de mim,e além disso vejo em seus olhos além de pena que compartilham uma gota do que estou sentindo. Não quero compartilhar isso com ninguém.

E eu nem sei por que me sinto assim, não sei se é só saudade, se é amor, paixão. Ou se é porque eu experimentei momentos tão bons que não quero aceitar perdê-los, eu reaprendi o significado da felicidade, me acostumei a ser feliz, agora rejeito a idéia de deixar de ser.

Alivia um pouco quando penso na certeza que possuo que tudo passa, mas me assuto ao lembrar que contigo foi tudo diferente, e talvez o fim também me surpreenda como o ínicio e o meio, ou talvez não.

A única certeza é da incerteza.

Fico aqui, em frente ao computador, enquanto escuto a chuva cair bruscamente la fora, queria estar andando pela chuva, totalmente nua. Queria que a água percorresse todo meu corpo e tirasse dele cada pedaço de você que ainda existe em mim. Quero tirar o gosto do seu beijo da minha boca, a suavidade do seu toque do meu rosto, quero tirar seu cheiro do meu corpo, quero tirar essa saudade do meu peito, esse desejo da minha pele. Penso que o açoite dos pingos em meu corpo possam me trazer de volta a sanidade, desejo que a água leve de mim a lembrança do riso mais bonito, o bico mais feio, os olhos mais doces, a pele mais branca, as palavras mais exatas mesmo quando não faziam sentido, a cumplicidade de alguns momentos, a graça que só a gente via nas coisas mais bobas.

Quanto tempo pode durar uma eternidade? Dependerá sempre da intensidade.